• Mariana

    Ju, eu recebi esse e-mail há um tempo atras… Não sei se voce teve acesso a ele… Acho que ninguem, alem da propria familia, vai saber o que realmente aconteceu… Eu não quero defender ninguem… principalmente porque nao estou acompanhando o caso, mas acho que vale a pena te mostrar…
    Bjssss e o blog tá excelente, como sempre! AMOOOOOOOOO!!!

    “Pondo os pingos nos “i”s – Pequeno Sean – Caso da disputa judicial pela guarda do menor entre padastro brasileiro e pai biológico norte-americano. Precisamos dar voz a versão real dos fatos porque a falta de escrúpulo do pai ganancioso está permitindo que uma versão distorcida ganhe terreno.
    Por favor, divulguem.
    Obrigada

    Carta do pai afetivo (padrasto) de Sean, João Paulo Lins e Silva, enviada por Maria Augusta Carneiro Ribeiro, tia-avó do menino, contando as suas razões.

    Subject: carta ao CONANDA

    Abaixo reproduzo carta do viúvo de Bruna ao CONANDA solicitando proteção aos direitos do Sean, meu sobrinho neto.
    Por favor, nos ajudem a divulgar pois a pressão dos EEUU está grande. De Hillary a Obama passando por embaixador.
    Peçam a nossas autoridades que também se pronunciem a favor da proteção de um cidadão brasileiro que deseja permanecer com sua família.
    Bjs,
    Guta

    Ao Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente

    João Paulo Bagueira Leal Lins e Silva, brasileiro, viúvo, advogado, residente na Rua Tasso Fragoso 33 bl.1 402, no Jardim Botânico, Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, portador do documento de identidade OAB/RJ 94728, e CPF 025951147-19, vem ao Presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, no sentido de proteger os interesses e direitos de seu filho afetivo Sean, menor impúbere, expondo e requerendo ao final o seguinte:

    Mesmo que já tenha me formado há mais de 10 anos na Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica, escrevo essas linhas não como advogado militante mas como pai de duas amadas crianças, e viúvo aos 35 anos de idade. Tal razão justifica a maneira menos formal que minhas razões são apresentadas emocionadas já que não poderia funcionar como advogado sem emoção nem parte só com a razão.

    Convivi e fui oficialmente casado com Bruna Bianchi Carneiro Ribeiro Lins e Silva por 4 anos e meio.

    Bruna estudou Comunicação na PUC-Rio. Após se formar foi fazer seus cursos de pós graduação e mestrado em Moda, exatamente em Milão, Itália. No fim do seu curso final, após uma longa temporada de 4 anos, conheceu um norte americano de nome David George Goldman, que estava hospedado do mesmo edifício onde Bruna morava, e que ali se encontrava como modelo. Logo apos alguns meses de contato, começaram a namorar, no estilo namoro por distância, já que o norte americano morava nos Estados Unidos da América, e não tinha disponibilidade nem era mais convidado para desfilar com tanta intensidade por conta da sua idade.

    O namoro durou alguns meses. Durante este período Bruna viajou aos Estados Unidos e com seu namorado americano viajaram para o Canadá.

    Dois meses depois de seu retorno para Milão, Bruna descobriu que estava grávida do namorado norte americano, que teria acontecido durante a viagem ao Canadá. Bruna anunciou o fato ao namorado e à família. Por mais que o contato entre os namorados eram raros diante da distancia, e com a vontade de ser mãe se aflorando, resolveu Bruna abdicar da Europa e se mudou para New Jersey, nos Estados Unidos, com o objetivo de dar ao filho a chance de ter uma família.

    Bruna, infelizmente, não poderia imaginar o sofrimento que estava por vir.

    Passo aqui a relatar fatos muito pessoais que só um marido ou pessoas muito próximas poderiam de fato saber.

    O namoro que funcionara a distancia, até então, se tornou uma tragédia. O namorado, que viria a se tornar marido por conta da gravidez, não mais tocava em sua mulher. Durante todo o período de gravidez, inclusive na lua de mel, que acontecera tardiamente, e com Bruna grávida, não houve qualquer relação intima entre o casal.

    Durante os últimos 3 anos de vida em comum Bruna dormia em quarto separado de seu ex-marido. Vivia angustiada, em profunda depressão, chorando diariamente. As brigas eram comuns e assistidas pelo pequeno Sean, nascido em 2000 nos EUA mas registrado no Consulado Brasileiro e no 1o Registro Civil de Pessoas Naturais do Rio de Janeiro. Importante destacar que tal registro no Consulado Brasileiro ocorreu três meses após o nascimento de Sean, tornando-o cidadão brasileiro como todos nós, com todos os direitos e deveres de um cidadão nato, que quando completar a maioridade poderá optar por ser brasileiro ou americano. Até então permanecerá com ambas as nacionalidades, sem que uma se sobreponha a outra ou que ele seja mais brasileiro do que americano, e vice-versa.

    David, nesta altura, e por conta da idade, não mais conseguia emprego e raramente conseguia algum dinheiro. Ficava em casa praticamente o dia todo, se preocupando em construir e consertar a casa. Bruna trabalhava o dia todo dando aulas de italiano em escolas primarias e era quem abastecia a casa com a alimentação e os custos gerais. Não obstante, e sabendo da situação, a família de Bruna auxiliava enviando dinheiro para que a família pudesse ter uma vida digna.

    Até o seguro de saúde era pago por Bruna, já que seu ex-marido não auferia qualquer renda. Viviam num mundo de aparências, onde para alguns a vida era ótima, mas dentro de casa tudo era um inferno.

    A situação chegou máximo no momento em que Sean, com quase completos 4 anos de idade, chamou sua avó materna, muito triste, para narrar que sua mãe não gostava dele porque ficava o dia todo fora de casa, e que quem gostava dele era seu pai, porque era ele quem o cuidava. Pediu para guardar o segredo. Perguntado quem teria dito tamanha barbaridade para uma criança, Sean respondeu que tinha sido David.

    Estarrecida, a avó materna contou à filha o triste episódio. Bruna, que já se encontrava no Brasil com Sean, por conta de férias, decidiu terminar o casamento, que de fato já não existia há mais de 4 anos. Era infeliz, depressiva, tinha um marido vagabundo, que não desejava como mulher desde a gravidez, e se via obrigada a trabalhar o dia todo para exclusivamente sustentar a casa.

    Decidiu não mais retornar aos EUA e terminar seu infeliz casamento.

    Ligou para seu ex-marido, disse que estava infeliz, que não queria mais retornar, ofereceu-lhe passagem para vir imediatamente ao Brasil para conversarem e resolverem suas vidas. Nada aconteceu. O americano recusou as passagens, a estadia, e disse que no Brasil não pisaria.

    Bruna, não restando outra alternativa, procurou informações com um advogado especializado para saber sobre sua situação. Imediatamente, e ainda durante o prazo autorizado pelo americano para Bruna aqui ficar em conjunto com seu filho, requereu perante a Justiça Brasileira a guarda provisória de Sean, que foi prontamente concedida.

    O americano, por sua vez, não mais se interessou em conversar com Bruna amigavelmente. Procurou um escritório de São Paulo e através dos mesmos ingressou, meses apos a vinda de Bruna, com uma ação alegando seqüestro internacional!! Como se a mãe pudesse pedir resgate ou estar em lugar não sabido. O teórico resgate viria sim, mas de uma forma inversa como será narrado em breve.

    Neste processo perante a Vara de Família da Comarca do Rio de Janeiro, o americano devidamente contestou o pedido. Perdeu em 1a Instancia e recorreu ao Tribunal Estadual. Novamente foi infeliz. Tentou um recurso ao STJ, onde não foi aceito e não mais recorreu, fazendo com que o processo transitasse em julgado.

    No processo em curso perante a Vara Federal, onde é autor o americano, este mesmo perdeu em 1a Instancia, em 2a Instancia e novamente o fato se repetiu perante o Superior Tribunal de Justiça, onde se entendeu que antes de qualquer Lei prevalece o maior interesse do menor, e neste caso, era que ficasse no Brasil e com sua mãe.

    Neste momento é importante abrir um espaço.

    Reencontrei Bruna por uma amiga comum dos tempos de faculdade, logo apos o seu retorno dos EUA. Nesta época eu me encontrava separado do meu primeiro casamento.

    Tivemos histórias semelhantes, não fomos felizes nos nossos casamentos por alguns motivos muito parecidos, e talvez pela experiência de vida entendíamos muito bem um ao outro.

    Em menos de 6 meses apos nosso reencontro já estávamos morando juntos. E nunca imaginei o quanto poderia ser feliz como fui ao lado de Bruna.

    Por alguma razão que pode ser explicada, a vida nos colocou ao lado por 3 vezes, sem que nas duas primeiras pudéssemos ficar juntos de fato. A última tivemos a certeza que éramos feitos para ficar juntos para sempre.

    Bruna me dizia a todo tempo que eu era o “marido que ela escolheu”. Namorávamos o tempo todo e nunca houve um momento de tristeza.

    Sean tinha uma participação mais do que especial em nossas vidas. Desde nosso primeiro contato fizemos de forma que ele aceitasse a situação. Foi ele quem trouxe o primeiro presente de dia dos namorados para mim, espontaneamente. Meu relacionamento com Bruna nunca ficaria acima ou seria comparado ao relacionamento entre mãe e filho, por isso administrávamos da melhor forma possível pensando no bem estar de Sean.

    Nosso envolvimento como família era tão grande e tão natural que Sean passou a me chamar de PAI. Foi desejo dele, particular, e com muito orgulho e carinho recebi esse presente. Nossa relação, independentemente da nomenclatura, funcionava como pai e filho: sempre participei de todas as reuniões de pais na escola, fazíamos juntos os deveres de casa, colocava para dormir, atos comuns entre pais e filhos.

    E fazia por amor. Sean é o filho que não tive do meu primeiro casamento. Nossa relação sempre foi muito forte, de conversa, de carinho, de ensino, de orientação, apoio e proteção.

    Desde o primeiro dia que ficamos juntos e optamos em constituir uma família, se tornou minha exclusiva obrigação custear minha família. Me tornei responsável pelo pagamento dos custos de empregada, alimentação, moradia, estudo e lazer. Viajávamos sempre. Sean pôde conhecer a Europa do meu lado, e se encantar por Paris e a Euro-Disney.

    Tivemos por longos 4 anos e meio a melhor família do mundo, onde tudo era carinho, afago, respeito. Nunca houve uma briga, um choro, um momento de tristeza.

    Bruna, que também registrara seu casamento norte americano no Brasil, requereu o divórcio perante a Justiça Brasileira, ato de acordo com a legislação. O americano foi formalmente citado por um Oficial de Justiça em Brasília. Bruna se divorciou e permitiu que finalmente pudéssemos nos casar oficialmente. Nosso casamento ocorreu no dia 01 de setembro de 2007.

    Na ocasião, assinaram a certidão de casamento a Bruna, eu, as testemunhas, como manda a Lei, e, num ato puro de expontaneidade, Sean também pediu para assinar, fato que muito nos comoveu, e que está na certidão do cartório bem como comprovada pelas fotos da ocasião. Sean, ali, atestava e aprovava nossa união.

    Quatro meses apos o casamento, Bruna novamente engravidou. Eu gostaria muito que tivesse sido antes, mas ela questionava, dizendo que dessa vez gostaria de estar grávida apos casar formalmente, para não acharem que ela só casava quando engravidava.

    Bruna teve uma gravidez perfeita, sem qualquer problema aparente. Sean acompanhou o crescimento da barriga da mãe diariamente. Ficamos muito felizes com a notícia de ser uma menina.

    Com todo o seu talento, Bruna se tornou empresaria da moda infanto-juvenil e abriu um negocio de muito sucesso, uma loja para meninas chamada BISI. O sonho de ter uma menina se concretizava e ela dizia que faria as roupas pensando na filha. Em 4 anos montamos 4 lojas nos melhores pontos do Rio de Janeiro.

    Programada para nascer dia 21 de agosto de 2008, Chiara resolveu nascer no dia. O parto aparentemente ocorreu sem problemas. Infelizmente ocorreram complicações e falhas que não merecem destaque neste momento.

    Minha amada Bruna, minha vida, e mãe dos meus filhos, faleceu na madrugada do dia 22 de agosto, horas apos dar a luz a nossa filha Chiara. Me deixou com os dois maiores presentes da vida: Sean e Chiara. Bruna faleceu com 34 anos.

    Sean – CIDADÃO BRASILEIRO – encontra-se no Brasil desde junho de 2004. Encontra-se no Brasil mais tempo do que viveu fora, sem levar em conta o tempo quando é muito bebe e ainda não tem tanta referencia.

    Sean encontra-se sob meus cuidados desde meados de janeiro de 2005, numa relação de pai e filho. Fala, hoje, muito pouco de inglês, e reconhece sua família – seu apoio e núcleo familiar – em mim como seu pai afetivo e sua irmã, maior referencia biológica da mãe.

    Durante todos esses anos, o norte americano não nos procurou um dia sequer. No primeiro ano de permanência no Brasil, ligou para Sean raras vezes, talvez duas, em datas como aniversário e natal. Nos últimos dois aniversários Sean não recebeu nenhum telefonema, sendo que em 2007 e 2008 não recebemos qualquer contato por telefone.

    Se limitava nos primeiros dois anos a enviar emails para a conta de minha mulher, em inglês, para uma criança que ainda nem estava alfabetizada em português. Recebemos umas duas vezes alguns presentes, enviados pela avó paterna, com simples carta assinada pela avó, exclusivamente.

    Durante todo o tempo o americano diz ter estado no Brasil 4 ou 5 vezes. Em nenhuma dessas ocasiões nos procurou, formalmente ou informalmente. Nunca requereu visita através da Justiça, apesar de ter contestado o pedido de guarda, de ter tomado a iniciativa judicial no Brasil. De fato soubemos da presença dele por conta de nossos advogados, que com ele estiveram no dia de julgamento.

    Soubemos também que ele esteve presente nos Tribunais procurando fazer lobby com alguns desembargadores. Repito: em nenhum momento ao menos ligou para nossa casa avisando que aqui se encontrava. Preferiu visitar os julgadores a Sean.

    Logo apos o falecimento da minha amada mulher, tomei a iniciativa judicial requerendo a guarda provisória de Sean, com quem já cuidava e mantinha relacionamento de pai – filho há mais de 4 anos. Recebi a guarda provisória apos concordância do Ministério Público Estadual a meu favor.

    Infelizmente não pude imaginar o que estava por vir. Logo apos a missa de sétimo dia de Bruna, recebi a notícia de que o americano se encontrava no Brasil, e que teria feito contato através dos advogados.

    Minha pergunta: TERIA ELE APARECIDO SE BRUNA NÃO TIVESSE MORRIDO???

    Pelo histórico é lógico que não.

    Mesmo sem ter feito um contato visual nos últimos 4 anos e meio, resolveu procurar o filho biológico. O pedido foi feito através do Juízo de família, que, por experiência e acompanhando o entendimento do Ministério Público negou a visita, temporariamente, tendo em vista o momento de dor da família e sua ausência depois de tantos anos. Entendeu que tal visita deveria ocorrer apos estudos sociais e psicológicos, tudo em prol do interesse de Sean.

    Apos essa decisão judicial nossa vida se tornou um inferno.

    Tal americano contratou, através de seus advogados, uma assessoria de imprensa, apesar do processo todo correr em Segredo de Justiça. Começou a divulgar uma versão mentirosa à imprensa brasileira, como se a vida nos EUA tivesse sido um conto de fadas. Divulgou que teria vindo inúmeras vezes ao Brasil e que a “família teria impedido o acesso”. Chamou a Bruna de bígama, de adultera, de seqüestradora de criança – mesmo apos sucessivos julgamentos – e sem que a própria Bruna pudesse ao menos se defender.

    Divulgou uma carta na internet onde acusava a Justiça Brasileira de corrupta, que teríamos pago todos os julgadores, e que nossos Tribunais não mereciam crédito.

    Tremendo absurdo!

    Não é só isso. No retorno aos EUA procurou a imprensa de seu país. Divulgou a matéria toda, deu entrevista contando sua versão mentirosa dos fatos. Divulgou meu nome e de minha família, me chamando de seqüestrador de criança.

    Criou um site na internet onde divulga sua versão, existindo um link para onde as pessoas têm acesso ao meu email e do meu pai e que a partir dali podem me escrever me caluniando. Recebi centenas de emails, me mandando queimar no inferno, que sou bandido. Juntamente com o link, apresentou uma série de emails da Embaixada Brasileira, dos Tribunais, do Poder Executivo, fazendo pressão através da opinião pública americana para que tomassem providencias políticas contra mim e contra minha família, tendo como pretexto o retorno de Sean aos EUA, apos 4 anos e meio sem nada fazer.

    SE NÃO BASTASSE, O AMERICANO PEDE EM SEU SITE DOAÇÕES FINANCEIRAS ONDE SE ACEITA TODOS OS CARTÕES DE CRÉDITO!!!

    Se não bastasse criou produtos com o rosto de Sean ainda aos 2 anos de idade que serve para estampar canecas, aventais de cozinha, camisetas de todos os modelos com dizeres que o Brasil não cumpre a lei, que Sean quer voltar ao pais dele, etc, fatos completamente absurdos e apelativos que servem como ganha pão para sustentar o americano que não tem emprego.

    Importante mencionar que ele diz nunca ligar porque supostamente a família não aceitaria ligações à cobrar. Como pode então querer sustentar uma criança que pouco se lembra de seu passado americano, se nem dinheiro tem para ligar para seu filho biológico?

    Alem disso, entrou no “Orkut”, comunidade da internet comum entre os jovens brasileiros, e na comunidade criada por crianças que apreciam a loja de minha mulher, começou a divulgar vídeos e fotos acusando a Bruna de seqüestradora enviando tais documentos para CRIANÇAS brasileiras, sem medir as conseqüências ou avaliar a gravidade de seu ato!

    Repare que se estivesse realmente sofrendo ou interessado não teria começado a gritar 4 anos e meio depois. Teria feito na semana seguinte da vinda de Bruna ao Brasil!!!

    O americano aparenta cheio de boas intenções. Porém não divulga à imprensa brasileira nem do seu pais, nem muito menos no seu site que ACUSOU MEUS SOGROS DE CONIVENTES COM UM SUPOSTO SEQUESTRO INTERNACIONAL, EM AÇÃO MOVIDA NOS ESTADOS UNIDOS, E QUE LÁ REALIZOU UM ACORDO PERANTE O JUÍZO ONDE RETIROU A RECLAMAÇÃO PELA LINDA CIFRA DE US$150.000,00 (CENTO E CINQUENTA MIL DÓLARES)!!! Tudo devidamente homologado perante um Juiz americano!

    Repito: teria aparecido o sujeito se Bruna não tivesse morrido??? NUNCA!!! Veio porque sentiu cheiro de dinheiro, tendo em vista a eventual herança que poderá Sean receber.

    É importante destacar que durante todos esses 4 anos e meio o americano não nos enviou UM CENTAVO SEQUER. Todo o custo de Sean foi bancado por mim e por Bruna. Não tomamos a iniciativa de cobrar alimentos, não há qualquer ação deste tipo. Como também não há qualquer ação visando e requerendo visitar Sean. Então porque depois de 4 anos e meio??? Só porque a Bruna morreu? Não ficou satisfeito com o acordo?

    O americano também não diz que mora numa casa que foi comprada com dinheiro da Bruna. Vive em teto que não é só dele gratuitamente. Não conta que falsificou a assinatura de Bruna em vários cheques da conta corrente para ter acesso ao dinheiro por ela deixado quando retornou ao Brasil. Nada disso divulga.

    Muito pelo contrario, faz cara de triste, de pai biológico prejudicado. Infelizmente sua atuação comoveu o governo americano, que começou a pressionar o Autoridade Central Brasileira. Motivada por razões que desconheço, a Secretaria de Direitos Humanos do MEU PAÍS forçou à União, através da Advocacia Geral da União, que é sustentada pelo nossos impostos, que tomasse uma iniciativa judicial.

    Hoje sou RÉU DE UM PROCESSO MOVIDO CONTRA A UNIÃO ONDE SE PLEITEIA O RETORNO DE SEAN E VISITAÇÃO EM FAVOR DE UM NORTE AMERICANO!!!!! Mesmo que o pedido tenha sido feito perante o Juízo de Família e mesmo que o pedido de retorno se repete, cujo mérito já foi julgado pelo STJ!!! A União pleiteia um direito em favor PARTICULAR de UM AMERICANO CONTRA UM BRASILEIRO que vem sendo massacrado pela imprensa, que não dorme com calma, que se vê obrigado a requerer à Justiça liminares para que o assunto não seja mais divulgado mesmo que esteja protegido pelo Segredo de Justiça.

    Meu país não pode agir contra um VERDADEIRO PAI BRASILEIRO, A PONTO DE INTERCEDER NUM ASSUNTO COMPLETAMENTE PARTICULAR. A QUE PONTOS CHEGAMOS???? ESTAMOS ENTÃO SUJEITOS AO INTERESSE ESTRANGEIRO ACIMA, INCLUSIVE DE DECISÕES DOS NOSSOS TRIBUNAIS?

    TERIA EU O MESMO TRATAMENTO SE O FATO OCORRESSE NOS EUA?

    Me sinto completamente desamparado. O americano, neste momento, deve estar criando artimanhas políticas para prejudicar minha família, pessoa esta que não deveria receber qualquer crédito por ter sido completamente ausente. Fazer o filho é bom, mas se responsabilizar pelo cuidado e educação requer mais do que dedicação, e meu amor por Sean não se diferencia do amor que sinto pela pequena Chiara.

    A Bruna era muito querida. Quando faleceu tivemos uma página de jornal com o anuncio de sua missa. Em seu enterro, que não fora divulgado na imprensa, tivemos do nosso lado mais de 1000 amigos. Bruna sempre acreditou no Brasil e aqui fez sua verdadeira família. Nesta situação nossos Tribunais entenderam que o bem para o Sean era permanecer aqui. Sean hoje tem uma irmã biológica, e a União, pressionada ou não, parece querer esquecer a decisão de nossa máxima Corte e, por conta do falecimento da Bruna, pleitear com base em seqüestro, o retorno de Sean aos EUA, depois de estar ele mais tempo no Brasil. Esquecem que Sean é BRASILEIRO!!! QUE MESMO QUE NAO TENHA NASCIDO NESTA TERRA QUERIDA, AMA SEU BRASIL COMO POUCOS.

    Não por nossa culpa perdeu o vinculo com os EUA. Não por nosso descuido, não por nossa ausência. Não podemos agora nos tornar réus, acusados de sermos seqüestradores, de irmos de encontro aos interesses de um norte americano. Onde chegamos????? O quanto Sean é mais americano do que brasileiro?? Ou será que é melhor ser americano?? Até quando pressões políticas servirão de pretexto para a AGU tomar iniciativa em favor de interesses particulares de um gringo contra uma LEGÍTIMA FAMÍLIA BRASILEIRA???

    Sean, desde o falecimento da mãe recebe acompanhamento psicológico para auxiliá-lo no momento difícil. A psicóloga Maria Helena Bartolo sempre foi categórica em afirmar que Sean, por falta de iniciativa do pai biológico, perdeu a referencia de seu passado americano, por não mais praticar a língua e por ter vindo muito novo para o Brasil. Sean chegou apos recém completar 4 anos. Se levarmos em conta que a criança tem pouca ou nenhuma lembrança de seus primeiros anos de vida é claro entender que Sean não consiga se lembrar de fatos e pessoas – mesmo que parentes – dos EUA.

    Segundo a psicóloga, sua lembrança formal é da mãe ao meu lado, num lar feliz e agradável. Sean viveu ao meu lado praticamente 60% de sua vida, visto que completará em maio 9 anos de idade, mais tempo do que nos EUA. Quando questionado sobre sua vida nos EUA, se lembra de pequenos detalhes, incluindo discussões e brigas que ocorriam com freqüência por causa de um casamento falido.

    É importante reforçar que eu, como pai sócio afetivo, só tenho interesse no bem estar do meu filho Sean, nada mais do que isso. É massacrante ver sua imagem inocente em canecas vendidas pela internet onde a receita não se sabe para onde vai. A figura de Sean é exposta inconsequentente ao mundo, sem que meçam o mal que isso pode trazer a uma criança em desenvolvimento. O segredo de justiça é desrespeitado diariamente, tendo em vista as fotos e colocações jogadas na mídia sem qualquer critério, com o único fim de gerar polêmica e vender jornal.

    Qual o objetivo de todos esses ataques contra sua família brasileira? Nunca houve intenção de impedir o contato e o convívio saudável. Tanto que na primeira oportunidade ocorrida recentemente, eu, como guardião, ofereci a visita já ocorrida. A psicóloga de Sean pode testemunhar o fato, e narrou que Sean se mostrou curioso, mas, apos algumas horas, desconfortável. Repete em suas sessões que quer ter uma vida normal, sem aflições ou riscos de ser levado do Brasil sem que seja ouvido, que quer ficar com seu pai afetivo que tanto ama e ao lado de sua irmã, maior referencia de sua falecida mãe. Obviamente que não se nega nem demonstra interesse em não manter contato com o pai biológico, mas que seja de forma equilibrada e saudável.

    Porém, existe um real temor da família, por conta de pressões políticas norte americanas, via Consulado, para que o interesse do menor seja colocado em segundo plano. Pouco importa se o pai biológico ficou ausente por 5 anos. Pouco importa se Sean tem uma irmã biológica. Pouco importa se ele aqui é amado e quer permanecer no local onde considera como casa, onde freqüenta a escola. Pouco importa que é BRASILEIRO. Estamos efetivamente correndo o risco de ver nossa lei máxima que respeita, antes de tudo, o maior interesse do menor, ser violada, rasgada, jogada por terra por interesses políticos norte-americanos. Querem usar este menino como exemplo. Exemplo de que? Não basta ter se tornado órfão aos 8 anos, e agora, ficar na iminência de ser retirado de sua casa, de seu lar, do convívio com quem reconhece e quem o cuida há 5 anos, do convívio diário com sua irmã que tanto ama, se seus avós, tios e amigos?? Onde fica o maior interesse do menor ??? Ou se trata do maior interesse dos EUA, do Embaixador Americano, de Hillary Clinton?

    Nem ao menos sabemos se a versão contada fora do Brasil é verdadeira. Os fatos são inúmeros e aqui temos milhões de papeis que provam, infelizmente, o caráter do pai biológico que nunca teve emprego fixo e foi sustentado por minha mulher durante os anos de casamento. Se utilizando da falta do segredo de justiça nos EUA se vende como um coitado, quando na verdade o único verdadeiramente penalizado nessa historia é Sean que está no risco de perder tudo aquilo que realmente o faz se sentir seguro. Sean nem ao menos fala inglês com segurança ou fluência como tentam apresentar !!!

    Com muito medo e no sentido de evitar que os direitos e interesses de um filho sejam efetivamente e grosseiramente violados, é que um pai sócio afetivo – que não fugiu de sua responsabilidade de sustentar um criança pela maior parte de sua vida única e exclusivamente por AMOR – clama à este Conselho para que analise e proteja os direitos de uma criança brasileira que já sofreu o bastante, e que hoje vive angustiada e sofrendo um jogo político internacional nefasto e inconsequente – cujos interesses políticos estrangeiros parecem estar acima da nossa lei, e se não bastasse, acima do interesse maior de uma criança brasileira, ÚNICA VITIMA, que virá a sofrer sérias conseqüenciais emocionais, caso não haja intervenção deste órgão.

    Rio de Janeiro, 05 de março de 2009

    João Paulo Lins e Silva – OAB/RJ 94728″

  • http://tpmulheres.net Ju

    Eu vou postar isso tb. u.u

  • Mariana

    Só mandei pra vc saber mesmo! Não sei se esse e-mail fala a verdade, tendo em vista que ele é um pouco apelativo, como todo bom advogado (rs), mas é um outro ponto de vista, não sei… =p

    Bjs!!!!

  • Aias

    Pior que aqui no Brasil td eh com o jeitinho,com o conhecimento..é capaz do americano nao conseguir o filho de volta…

  • maria antonieta

    Quatro anos sem visitar ou ter contato com o filho e agora aparecer como pai preocupado e amoroso?! Canecas com o rosto do filho, expondo a criança, tentando obter dinheiro com isso?! A entrevista da avó materna, na globo, foi contida e elegante. O pai afetivo está óbviamente preocupado com o bem estar de seu filho, e tenta não se expor.
    É uma família assim que esta criança merece. Genética não define afeto.
    O interessante é que vcs acharam a carta do pai afetivo apelativa, mas não acharam o mesmo deste tal abaixo assinado horroroso, ou da reporter americana sugerindo que as pessoas expressassem seu ódio(sic), ou do link para o site do americano vendendo o filho. Se este americano quisesse ver o filho e manter a relação, teria vindo antes, mesmo tendo esta batalha judicial. Outra coisa, se eu fosse esta mãe, teria feito o mesmo. Jamais enfrentaria a batalha pela guarda de meu filho num país que não é o meu.
    Porque eu perderia. Porque americanos, corretamente, protegem americanos, e não agem como certos brasileiros subservientes que acham que genética e cara de coitadinho sempre tem razão.

  • maria antonieta

    Se soubesse que meu comentário estaria sujeito à aprovação , não teria escrito. É óbvio que não será publicado, já que contraria a opinião da proprietária.

  • http://danilambari.spaces.live.com Daniela

    Concordo em gênero, número e grau com Maria Antonieta. Só quem viveu um casamento infeliz e fez de tudo para se livrar dele pode entender o que a Bruna fez – pena que a coitada teve que mudar de país para isso, que foi o que complicou a sua vida e agora a vida do seu filho.
    Meu ex-marido também ficou vários meses sem ver os filhos – mesmo com a minha oferta de ajuda – apenas para comprovar na justiça que estava sem dinheiro, para justificar o seu pedido de redução de pensão alimentícia. É incrível a capacidade de amar de alguns pais…
    Torço para que o menino fique no Brasil, do lado de quem o ama de verdade.

  • Cristina

    Que magnífico! a verdade prevaleceu, David Goldman virou este jogo. Derrotou os golias, os poderosos, a elite do Rio de Janeiro, a Justiça que está a serviço dos ricos. Que vergonha, eu me sinto envergonhada de ser brasileira. Tráfico de influência nos três poderes. Famílias importantes, etc. Segredo de Justiça, não devia existir. Parabens David, o sangue que corre nas veias de Sean é seu, e não deste padastro que não é digno de ser advogado de vara de família. A justiça tardou mais não falhou.