Usada em excesso, pílula do dia seguinte traz complicações

Evite usar a pílula do dia seguinte com frequência

A utilização indiscriminada da pilula do dia seguinte pode causar sérios problemas de saúde para as mulheres. Apesar da liberação do medicamento pelo Ministério da Saúde, que passou a distribuir sem custos a pilula do dia seguinte, o ideal é utilizá-la com último recurso, em caso de ter se descuidado, e feito sexo sem a segurança da pílula e da camisinha (ai, ai, ai, sem camisinha não pode, né?). Ou quando o método escolhido pelo casal é o preservativo masculino e, na hora H, ele arrebenta.

A pilula do dia seguinte têm vários “senãos”. A começar por sua eficácia, que no longo prazo é pior do que a pilula convencional. Aparentemente, se usada com frequência, aumentam as chances do medicamento falhar como anticoncepcional, e, portanto, da mulher engravidar sem desejar.

Além disso, o uso frequente pode ocasionar vômitos, fadiga, náuseas e sangramentos. Ela também tem como efeito colateral a alteração no ciclo menstrual e do tempo de ovulação, dificultando o cálculo do período fértil e da ovulação.

Adicionalmente, a pilula do dia seguinte é contra-indicada para as mulheres com problemas de hipertensão vascular, obesidade mórbida e hematológica, pois o medicamente possui muitos hormônios, podendo facilitar a formação de coágulos no sangue que podem obstruir as artérias.

Por isso, evite tomar a pílula do dia seguinte com frequência e, é claro, consulte o seu ginecologista antes de utilizá-las, pois auto-medicação é sempre muito perigoso.